top of page

Modo de consentimento: Veja as novidades do Google para aumentar a privacidade

Considerando que estamos em uma era cada vez mais digital, envolvendo, também, a importância de manter dados de usuários protegidos, o Google se encontrou na necessidade de lançar atualizações como o modo de consentimento.


Lançado em 2020, no mês de setembro, o modo de consentimento funciona como um mecanismo de pesquisa, com o objetivo de manter o seu robusto negócio de publicidade digital, atendendo ao mesmo tempo, a necessidade de manter a privacidade do consumidor.



Sabemos que a construção de boas campanhas de marketing depende de alguns dados que são coletados através dos cookies. Por exemplo, sem os cookies, o processo de conquista de leads por meio de um anúncio sobre bobina para relógio de ponto fica mais difícil.


Contudo, a demanda por uma privacidade maior dos dados dos usuários aumentaram, o Google lançou, novamente, novas atualizações para o modo de consentimento.


Diante desse contexto, onde podemos notar que há mudanças que precisam ser passadas, iremos entender como essas atualizações podem impactar as campanhas criadas na internet. Confira:


Qual o papel dos cookies?


Quem costuma navegar frequentemente na internet, sabe que, ao visitar um site, o mesmo pede para que você aceite os cookies, certo? Isso, na verdade, trata-se de um banner de cookie.


Pessoas que não costumam navegar na internet, acabam aceitando os cookies sem mesmo saber do que se trata. Estamos falando dos pop-ups com avisos de cookies que, nada mais são do que lembretes que aparecem no primeiro instante que você está em um site.


Contudo, esse lembrete deve ser usado por qualquer tipo de site, ou seja, uma empresa de auditoria em SP que tenha um site que usa cookies deve deixar claro o que ele significa, justamente para esse público mais leigo.


Quando você se depara com um alerta de cookies, saiba que é, na verdade, um aviso aos visitantes que aquele site usa essa ferramenta.


Além disso, esses lembretes oferecem aos visitantes a opção de aceitar, ou recusar o pedido de cookies. Essa prática deve ser feita para manter a conformidade com GDPR, CCPA, LGPD e outros regulamentos relacionados à privacidade do consumidor.


Mas afinal, como de fato funciona o modo de consentimento? É simples: essa ferramenta do Google recebe as opções de consentimento que são dadas pelos visitantes, e ajusta dinamicamente o comportamento do Google Analytics, além de influenciar também nos anúncios.


Na prática, o modo de consentimento do Google oferece uma maneira para que os sites possam executar os seus serviços do Google que já estão acostumados a usar. A diferença é que os dados coletados são baseados no consentimento do visitante do site.


Como seria os anúncios sem cookies?


Em resumo, os banners de consentimento de cookies oferecem às pessoas um controle maior sobre como os seus dados são usados para o desenvolvimento de campanhas de publicidade, ou análise.


Nesse contexto, as pessoas têm total liberdade de concordar ou discordar em compartilhar os seus dados com um determinado site.


Contudo, a partir do momento que o usuário concorda em aceitar os cookies, logo, um site especializado em trabalhar com terceirizada portaria, por exemplo, pode utilizar esses dados para melhorar suas campanhas de marketing.


Vale pontuar também que a aceitação dos cookies é, também, uma forma de melhorar a navegação do usuário no respectivo site. Nesse contexto, tanto o usuário quanto o gestor do site, ganham com a aceitação dos cookies.


Na grande maioria das vezes, os usuários não concordam em compartilhar os seus dados com o site.


Com essa rejeição, empresas que atuam no mercado trabalhando com empilhadeira aluguel, por exemplo, tem em seus sites, uma dificuldade muito grande para criar as campanhas de marketing.


Dentro desse cenário, podemos exemplificar melhor com os Estados Unidos, que se destaca como o país com a menor probabilidade das pessoas concordarem em aceitar os cookies, quando solicitados.


Segundo o estudo levantado pela YouGov, apenas um terço dos consumidores norte-americanos concordam em aceitar os cookies, enquanto 42% discordam em liberar os seus dados.


Logo, com uma taxa tão grande de rejeição de cookies, as consequências recai diretamente na indústria de publicidade. Trata-se de um cenário bem complexo para os publicitários.


Na prática, desenvolver campanhas de marketing para uma empresa de interfone pode parecer fácil, utilizando as técnicas certas, mas sem os cookies o processo tende a ser mais difícil, principalmente pelo fato de que a equipe não terá fácil acesso aos dados do público-alvo.


Na ausência dos cookies para entender o comportamento do consumidor na internet, as taxas de cliques e até mesmo as conversões de leads caem, o que é extremamente prejudicial para os resultados de uma empresa.


No contexto empresarial, da mesma maneira que gestores pesquisam por “lTCAT preço” nos buscadores, com o intuito de evitar certas multas, o mesmo cuidado deve ser tomado em relação aos cookies, que também estão relacionados com o número de resultados do site.


Dentro do mundo do marketing, é muito importante que os profissionais acompanhem o nível de eficiência de suas campanhas, e sem os cookies, eles se deparam uma dificuldade enorme.


Ou seja, independentemente se a equipe conseguir criar uma boa campanha para um site de locação de cadeiras de rodas, o importante, na verdade, é saber das eficiências das técnicas que foram usadas, justamente para ter ciência se é necessário, ou não, corrigir alguns aspectos.


Entretanto, com o objetivo de ajudar os profissionais de marketing a entender melhor o impacto gerado por suas campanhas, o Google criou novos recursos que funcionam como um suporte e solução de problemas no Google Ads.


Como o Google Ads pode ajudar?


No geral, há novos diagnósticos de conversão que podem ajudar você a entender a implementação de consentimento no seu site, e os impactos que serão causados nas taxas de conversão.


De acordo com a própria colocação do Google, nos próximos meses, será possível visualizar alertas de solução de problemas nas guias de diagnósticos e, além disso, ver insights no nível do domínio sobre sua taxa de menção e consentimento.


Além desses aspectos, você também poderá fazer download de uma lista de URLs e acessar as ferramentas voltadas para resolução de bugs do Assistente de tags do Google de consentimento, a fim de corrigir alguns problemas de configuração que podem eventualmente aparecer.


Portanto, com esse novo recurso criado pelo próprio Google, a empresa está desenvolvendo um processo de adaptação para o mundo.


Em outras palavras, é a criação de um mundo sem cookies, mas que ao mesmo tempo, consiga trazer mais dados para que os profissionais que trabalham com marketing, possam entender qual o nível de eficiência das suas publicidades, com ou sem os cookies.


Diante de tantos golpes que vêm surgindo na internet, é válido dizer que trazer transparências e mais dados para a mesa, irá proporcionar mais credibilidade aos anúncios colocados na internet.


A importância da Política de Privacidade


Para falar da importância da Política de Privacidade, naturalmente, devemos falar da Lei do Marco Civil da Internet, que traz consigo obrigações legais para o provedor de aplicações. Traduzindo: são os serviços online que o usuário acessa, ou seja, o seu negócio digital.


Dessa forma, a Política de Privacidade é um daqueles documentos fundamentais para a aplicabilidade da normativa, considerando que ele irá garantir que princípios da proteção da privacidade, proteção de dados pessoais e preservação da segurança de rede sejam assegurados.


Portanto, é interessante dizer que a Política de Privacidade e Termos de Uso são aspectos obrigatórios para qualquer empresa brasileira, uma vez que confere direitos e garantias aos cidadãos da internet, além de evitar sanções civis, criminais e administrativas.


Ainda mais ligado ao tema deste artigo, vale pontuar que as Políticas de Privacidade também devem estar alinhadas com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).


Dentre as maneiras mais eficientes de evitar problemas, como ações judiciais, temos a própria Política de Privacidade, que evita acusações, como:


  • Falhas em documentos;

  • Falta de informação ou transparência;

  • Invasão de privacidade;

  • Alegações de abusividade;

  • Uso indevido de dados.


Ou seja, podemos dizer que a Política de Privacidade funciona como uma espécie de ferramenta para prevenir o site de litígios do ponto de vista jurídico. Por esse motivo, o documento deve ser escrito com um advogado especializado para adequar as cláusulas do acordo.


Por fim, vale lembrar que a maior importância de uma boa Política de Privacidade, é a conquista da confiança dos seus clientes, usuários, consumidores ou até mesmo os simples visitantes.


É um dos pilares básicos para que um site de venda de tela de proteção para piscina, por exemplo, consiga conquistar a confiança daquele cliente que não costuma navegar na internet.


Trata-se de uma atitude que mostra que a sua empresa leva a proteção e segurança de dados pessoais a sério. Portanto, o documento deve ser escrito de maneira clara, detalhada, ética e, acima de tudo, transparente.


Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Inv

estimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.










5 visualizações0 comentário

Yorumlar


bottom of page